Teatro de bonecos popular do Nordeste recebe título de Patrimônio Cultural do Brasil

FONTE ORIGINAL: IPHAN

Imagem de divulgação do II Encontro de Brincantes de Babau da ParaíbaDe 6 a 8 de julho de 2017 ocorre na cidade de Mari, na Paraíba, o II Encontro de Brincantes de Babau da Paraíba. O evento reunirá bonequeiros, pesquisadores, gestores públicos e a sociedade civil para discussões acerca da construção do Plano Nacional de Salvaguarda do Teatro de Bonecos Popular do Nordeste.

Para celebrar o reconhecimento do Teatro de Bonecos Popular do Nordeste: Mamulengo, Babau, João Redondo e Cassimiro Coco como Patrimônio Cultural do Brasil, pelo Iphan, em 2015, o diretor de Departamento de Patrimônio Imaterial, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Hermano Queiroz, entregará aos mestres representantes dos grupos brincantes da Paraíba o título que declara a inclusão deste bem cultural no livro das Formas de Expressão.

Com uma ampla programação, o encontro terá exposições, mesas redondas, rodas de conversas, realização de oficinas, exibição de documentários e diversas apresentações.

O II Encontro de Brincantes de Babau da Paraíba

O evento acontecerá na cidade de Mari, um lugar que tem como referência o legado deixado por Antônio Alves Pequeno – Antônio do Babau, que influenciou e ainda influência várias gerações de bonequeiros por todo Brasil. A iniciativa visa despertar o estado da Paraíba a para a importância da manutenção de seu patrimônio cultural, sendo ele a memória histórica de saberes e fazeres específicos, que se mantêm vivos e produtivos na sociedade brasileira.

A brincadeira

Reconhecido pelo Iphan como Patrimônio Cultural do Brasil em 2015, o Teatro de Bonecos Popular do Nordeste se tornou uma tradicional brincadeira, com origens no hibridismo cultural, durante o período de colonização do Brasil. A troca intensa possibilitou uma diversidade de temáticas: religiosa, profana ou de costumes populares. E, apesar deste bem ser amplamente conhecido como mamulengo, em cada contexto se desenvolveu de forma diferenciada, por isso, possui diversas denominações: Cassimiro Coco, no Maranhão e Ceará; João Redondo e Calunga no Rio Grande do Norte; Babau na Paraíba; Mamulengo em Pernambuco.

A brincadeira começa com a montagem da empanada, uma espécie de barraca. Depois disso, os brincantes se colocam na parte de trás e então começa o espetáculo com os bonecos em cena e a introdução de um texto poético, a loa. Além da narrativa, a peça contém elementos surpresas, sugeridos, muitas vezes, pelo mestre a partir de um conhecimento prévio sobre o público, por exemplo.

Esta forma de expressão carrega elementos fundamentais para a sustentabilidade da identidade, memória e ainda desempenha um papel agregador que legitima as práticas cotidianas nessas regiões. Dessa maneira, tornou-se uma referência cultural que vem se atualizando, ao longo do tempo, mas que mantém relações de tradição, pertencimento e coletividade no universo cultural na qual se desenvolve.

Mais informações para a imprensa
Assessoria de Comunicação Iphan

comunicacao@iphan.gov.br
Fernanda Pereira – fernanda.pereira@iphan.gov.br
Íris Santos – iris.santos@iphan.gov.br
(61) 2024-5511- 2024-5513 – 2024-5531
(61) 99381-7543
www.iphan.gov.br
http://www.facebook.com/IphanGovBrwww.twitter.com/IphanGovBr
http://www.youtube.com/IphanGovBr

Anúncios

Comenta aí, pô!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s