Documento mais antigo da Grã-Bretanha é encontrado em Londres

Aqui já falamos muito de descobertas de documentos antigos como o máscara mortuária com a versão mais antiga do Evangelho, o livro de orações que antecede a Torá mais antiga, o manuscrito de feitiços egipcios em copta, a tradução de textos egipcios em cerâmica sobre altas taxas imobiliárias, enfim, quem tem o sonho de ser um Arqueólogo/Pesquisador, alegrai-vos, jovem mancebo! Ainda há uma caralhada de coisas pra gente descobrir.

E hoje falaremos de mais descobertas! Em Londres (terra da Mulher-Aranha e do Blade), arqueólogos encontraram o que seria o documento mais antigo da Grã-Bretanha.

Adonde?!

O QUE XAVASCAS É A GRÃ-BRETANHA, TIO BAZUCA?!

Grã-Bretanha é uma das muitas Ilhas Britânicas da Europa que abrange a maior parte do Reino Unido. Nesta ilha estão três das quatro nações britânicas: Escócia, na parte norte; Inglaterra, no sul; e País de Gales, a oeste. A Grã-Bretanha constitui a maior parte das Ilhas Britânicas.

Bom, essa daí eu tirei da Wikipédia. Mas voltando ao assunto…

A descoberta do documento mais antigo da Grã-Bretanha

O referido documento está no Museo Arqueológico de Londres  e trata-se de uma tábua do ano de 57 d.C. (mais precisamente no dia 8 de Janeiro), onde há o registro de um débito.

Será que foi paga?!

A explicação para estes registros estarem preservados por quase 2.000 anos está na lama molhadado do rio subterrâneo Walbrook , que cortavam a cidade de Londres na época, e não estiveram em contacto com o oxigénio durante este tempo.

A escavação chefiada por Sophie Jackson acusou, também, cerca de 410 tablillas romanas (tabuinhas de cera) e destas, cerca de 87 delas já foram traduzidas. Pra quem não sabe, Tabillas são tipo uma caderneta feita de madeira preenchida de cera para servir de escrita e esta era feita usando uma caneta que riscava a superfície da cera, numa escrita cuneiforme. Veja uma foto abaixo e reflita.

Tablillas
Um exemplo de Tablillas de cera

As Tablillas com os registros mais antigos da Grã-Bretanha

Todos estres documentos foram encontrados durante uma construção de um novo edifício. Entre os registros já traduzidos, há o registro de Londres cinquenta anos antes do historiador romano Tácito fazer uma referência em seus escritos.

Sophie ainda estuda a possibilidade de abrir uma exposição dos objetos encontrados ao público, no futuro.

Tablillas (2)

MAIS E MAIS ACHADOS EM LONDRES…

Junto com estes documentos, os peritos encontraram todos os tipos de artefatos romanos que são bastante característicos e sem necessidade de averiguar uma data (cerâmica e moedas, por exempplo), o que, certamente, é uma mão na roda dos pesquisadores.

Tablillas (3)

Roger Tomlin (latinista da Universidade de Oxford) é o responsável pelas traduções e explica que os artefatos tratam de decisões jurídicas e militares, entrega de carregamento (cerveja, por exemplo). Um dos registros aponta a entrega de provisões para Verulamium (antiga cidade romana, atual  St. Albans), e até treino de caligrafia.

Nunca é tarde para aprender.

Ainda, Roger se diz “muito feliz por ter sido o primeiro a ler esses comprimidos novamente depois de mais de dezenove séculos, e imaginaram como eram as pessoas que fundaram a cidade de Londres .

Anúncios

1 comentário Adicione o seu

Comenta aí, pô!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s