O Projeto Jamkhed – Agentes comunitários na Índia lutam contra a pobreza e o preconceito

Durante o Mês de Prevenção ao Suicídio, eu fiz uma postagem sobre o Sati, o uma prática suicida exigida para viúvas na Índia. Uma ferramenta cultural bastante polêmica, onde a viúva era obrigada a jogar-se na pira funerária do marido, para morrer queimada.

A postagem ficou muito boa, por sinal.

O Sati caiu em desuso, contudo, a viúva ainda é alvo de descarte. Elas são enviadas para uma cidade chamada Vrindavan (ponto turístico indiano) e não recebem qualquer assistência médica ou financeira. Para sobreviver, precisam mendigar e muitas vivem comendo o pão que o capeta amassou por 30 anos.

É mole ou quer duro?!

Porém, contudo, todavia, nem só de miséria e herança cultural reprovável vive o povo indiano e pra isso fiz essa postagem. A ultima coisa que quero é que você, oh inestimável e fidedigno leitor, saia deste blog achando que a Índia é uma “Porra Lôca”. Ainda há um sentimento muito forte de misticismo e desinformação por lá e o sistema de Castas não ajuda muito.

Tipo o projeto Jamkhed.

PROJETO JAMKHED (PSGR) E SEUS IDEALIZADORES

O médico Raj Arole nasceu em uma família Dalit (de casta inferior).
O médico Raj Arole nasceu em uma família Dalit (de casta inferior).

Países como os EUA e Grã-Bretanha recebem médicos de nações falantes do inglês, como o Malauí, Gana e Índia. Nestes locais, o médico estuda pra caralho na intensão de se formar e procurar uma vida melhor, da mesma forma que muitos outros profissionais em outras áreas também o fazem. Os médicos se esforçam para aprender uma arte nobre e benfazeja e querem uma melhoria de vida.

Uma comparação desse dilema humanitário com o Programa Mais Médicos seria interessante.

Resumindo, os necessitados não recebem qualquer assistência médica ou mesmo instrução sobre saneamento básico. Para você ter uma ideia, 85% dos moradores do Malauí vivem na zona rural e, pelas contas, sobram cerca de três médicos para atender cento e cinquenta mil pessoas.

Jamkhed é uma comunidade situada no estado de Maharastra (Índia). Em 1970, o médico Raj Arole (falecido em maio de 2011)  e sua esposa Mabell  Arole (Falecida em 1999), durante os votos de matrimônio, decidiram dedicar-se aos necessitados, criando o PSGR (Projeto de Saúde Geral Rural da Índia), conhecido como Projeto Jamkhed, o nome da comunidade onde tudo começou.

Agentes comunitários saiam de porta em porta colhendo dados, tratando dos doentes e ensinando recursos básicos sobre higiene. Auxílio a gestantes e até cirurgias, tudo custeado pelos próprios idealizadores, o que não deixou a desejar no atendimento…

… mas começou bem “nas coxas”.

Contudo, nosso herói e sua esposa sofreram com o preconceito na implementação do Jamkhed. Você deve estar se perguntando por que cargas d’água alguém que só quer ajudar seria alvo de preconceito?!

Vem comigo que eu explico.

AS CASTAS NA ÍNDIA HINDUÍSTA
Se você viu a novela Caminho das Índias na Grobo, lembra do glamour das personagens, das lindas atrizes globais dançando e cobertas das mais belas jóias e adereços dourados, também deve lembrar dos galãs globais exalando cultura estrangeira ao mesmo tempo que deixa mulheres de todo o país de coxas molhadas e trêmulas.

Agora faça a fineza de esquecer tudo isso.

A Índia hinduísta não tem nada daquilo, PELAMORDEDEUS! Ninguém anda coberto de ouro naquela região e as danças, então… Eles vivem sob o domínio das Castas, classes sociais sem mobilidade, ou seja, quem tá embaixo vive na merda e não sobe nem fudendo e vice-versa. Dessa forma, você só tem uma chance de se dar bem na Índia e é antes de você nascer.

No caso de você nascer em uma casta inferior, é caixão com vela preta e nada, nada mesmo vai mudar essa realidade. Diferente do Brasil, onde você joga na net uma dança intelectualmente despreparada, uma dança cretina e, independente de sua moral ou de seu caráter, vira uma celebridade.

Um gráfico das Castas da Índia hinduístas seria assim:

  • Brāhmaṇa – Nascidos da cabeça de Brahma. São intelectuais ou letrados, detentores do conhecimento e das ciências;
  • Kṣatrya – Nascidos dos braços de Brahma. São guerreiros e governantes;
  • Vaiśya – Nascidos das coxas de Brahma. São artesões, comerciantes e pastores também;
  • Sūdra – Nascidos dos pés de Brahma. São camponeses, artesãos, servos e operários.

As margens dessa estrutura, temos os Dalits (intocáveis), considerados menos do que a merda do cavalo do Vingador. Eles não podem rezar, não podem estudar, os trabalhos reservados aos dalits são as coisas mais sujas e não podem ter contato com pessoas, excetuando outros dalits. Caso ocorra, a outra pessoa será obrigada a passar por uma série de rituais para purificação.

Sim, é foda, mas onde se encaixa o idealizador do PSGR nessa história?

JAMKHED ENFRENTANDO O PRECONCEITO
A grande questão é que Raj Aroje e sua esposa eram Dalits. O preconceito e superstição eram fortes demais na Índia e ainda são. Para você ter uma ideia, pessoas mordidas por serpentes ainda são levadas aos templos quando deveriam ir ao hospital, mulheres e crianças morrem durante o parto pela ideia de que os deuses assim o querem.

A desinformação, o preconceito e o misticismo ainda são o maior problema nas regiões mais pobres do mundo. O que não significa que países mais desenvolvidos estejam isentos desse tipo de problema.

Entendam que o sistema de Castas na Índia ainda é o maior formador de opinião e considerado inviolável. Esse elitismo cultural auxilia na exclusão dos intocáveis. Raj Arole enfrentou o preconceito entre as castas de maneira inteligente. Mais de 140 poços artesanais foram providenciados em Maharastra, a maioria em locais de moradia dos Dalits.

Quem quiser água, terá que conviver com os Dalits e superar esse preconceito besta.

Os princípios básicos do Jamkhed são a integração da medicina preventiva, o empenho dos médicos em atender TODOS os pobres (independente do nível de pobreza) e, acima de tudo, ensinar aos necessitados medidas básicas de conhecimento, uma ferramenta fundamental para evitar que as doenças persistam. Uma capacitação, apesar de informal, é essencial para prevenir.

Na verdade, Raj Arole e sua esposa chegaram e deixar de lado uma carreira promissora nos EUA, visando apenas atender os pobres da região do Maharastra (onde está situada a comunidade de Jamkhed que dá nome ao projeto benfeitor).

O site TILZ (Tearfund International Learning Zone) fornece maiores detalhes sobre a história do PSGR e o projeto Jamkhed e o melhor, é em português. Segue abaixo um vídeo sobre o PSGR.

Anúncios

Comenta aí, pô!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s