Igreja pretende proibir enterro de cães e gatos em cemitérios

Alguém já viu o filme “O Alto da Compadecida”?!

Duvido ouvir uma resposta negativa, porém, ainda que exista alguém que não conheça, o referido filme conta as aventuras e desventuras de Chicó e João Grilo (o filme é baseado na peça teatral de Ariano Suassuna). Uma das situações vividas pela dupla, o padre da cidade não admite o enterro da cachorrinha da mulher do padeiro, porém, Chicó (o quengo mais amolado da região) consegue, com inteligência e dinheiro, fazer o padre enterrar o tal do mascote.

E em Latim.

Uma proposta que tramita na Câmara de Vereadores na capital paulista promete apresentar aos brasileiros aquela famosa situação onde a vida imita a arte. A proposta proíbe que bichos de estimação sejam enterrados ao lado de seus donos nos cemitérios municipais da capital.

E tudo foi idealizado por um arcebispo.

Para começar a história, você precisa saber que vereadores como Roberto Tripoli (PV) e Antônio Goulart (PSD), partindo da premissa de que os bichinhos são considerados como “parentes” e merecem compartilhar do mesmo ambiente na hora derradeira, tem projetos de permitir o enterro de animais junto dos donos. Na cabeça de pessoas como Tripoli, a utilização do jazigo é problema dele e por ser propriedade adquirida, o cara faz o que achar melhor.  Porém, o arcebispo de São Paulo, D. Odilo Scherer, acredita que essa situação contribui para a depreciação da dignidade humana.  Permitir que animais compartilhem de cerimônias fúnebres junto dos homens é o mesmo que crer que eles estão em pé de igualdade.

O arcebispo decidiu impedir a aprovação do projeto dos dois parlamentares citados anteriormente, tanto que visitou a prefeitura de São Paulo na intenção de solicitar intervenção direta do prefeito Fernando Haddad (PT).

Todos estão aguardando uma manifestação oficial do prefeito. A intenção é evitar um desgaste de um possível veto do prefeito a uma lei sugerida e aprovada por vereadores da base aliada. A situação merece uma melhor entendimento, visto que não há cemitérios e crematórios particulares destinados a animais domésticos e, mesmo assim, as altas taxas do serviço praticamente inviabilizam a utilização desses locais pela população.

Anúncios

Comenta aí, pô!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s