Mês da Mulherada – O vestido de noiva, a Rainha Vitoria, o branco e um pouco de historia

FONTE ORIGINAL – BLOG REVERBERA QUERIDA
Não é sempre que faço algo assim, publicar um texto de autoria de outra pessoa, ainda mais em uma tradicional época deste espaço virtual pouco ortodoxo, porém, achei este texto deveras interessante. Recomendado o blog da Eliza (Reverbera Querida).
——————————————————————————————————————————————————

Já devo ter citado alguma vez a Rainha Victoria aqui, por todo o mito e importância desta mulher incrível. Quando comecei a me envolver na organização de casamento, por conta da minha índole curiosíssima, comecei a querer saber de todos os pormenores e, adivinhem qual me fascina mais? O vestido de noiva. Já disse para vocês, é ele a grande metáfora de tudo, é quando todos vêem a noiva que tudo se torna verdade, eis ali um casamento todo representado em cada ponto, em cada nervura, detalhe do seu vestido, que para nossa cultura herdou a cor branca.

De onde veio isso? Sobre a origem do vestido branco, em termos de datas, não há um consenso. Registros históricos dão o nome da Rainha Mary Stuart da Escócia como a primeira a usar o branco para se casar, isso no século XVI.
Mas se formos avaliar de forma mais profunda, a história do vestido de noiva está ligada à própria história do casamento, que entendo mais como uma necessidade de cumprir etapas e de erigir símbolos que o ser humano necessita. Óbvio, que tem toda uma questão nada romântica na raiz das coisas, é sempre assim, mas a necessidade de cumprir etapas me parece ser a legado mais forte. Certo que existiam e existem até hoje casamentos combinados, arranjados, por interesse político e/ou material, a história dos dotes que esteve presente entre nós ocidentais até dia desses, todo mundo sabe disso. Mas não é neste âmbito que quero entrar, mesmo que seja muito interessante até, mas meu desejo aqui é mostrar o lado das rendas, das sedas, das organzas.
No início de tudo, as tradições de casamento exigiam flores e suntuosidade nos vestido (coisa que nos acompanha até hoje), que haveriam de ser diferentes de um vestido comum, isto se falando da nobreza, realeza. As camponeses casavam-se com vestidos especiais também, mas sem luxos. As cores eram variadas, sendo que na Idade Média muito se usou o vermelho, o dourado e até o preto, pois era a cor certa para se apresentar perante o altar católico, por questões de sisudez e o que se entendia por respeito e contemplação.
Aí entram os casos peculiares, do primeiro uso do branco que, digamos, reverberou de fato, que não foi a “precursora” Mary Stuart, mas sim a jovem Maria de Médice. E foi uma espécie de rebeldia, sabiam? O branco era uma cor vetada, acredito também por remeter a certos rituais pagãos em que as sacerdotisas se vestiam de branco, mas o certo é que a rainha Maria de Médice da França, séc. XVII, que era de origem italiana, usou em seu casamento um vestido branco com detalhes em dourado, com um decote quadrado e causou um frisson danado na corte francesa, pois bateu de frente com os costumes de se usar roupas escuras, em geral preto e completamente fechadas. E ela só tinha 14 anos mal completos. Por sua pouca idade, alguns artistas da Renascença atribuíram o branco à sua pureza de quase criança.
Porém, a história mais famosa, acredito que muito por força desta figura e por toda a aura de romantismo desta história, atribui-se o vestido branco de noiva à Rainha Victoria, da Inglaterra, séc. XIX. Ela foi talvez a primeira nobre a se casar por amor, inclusive ela quem fez o pedido de casamento ao seu primo, príncipe Albert, pois como era rainha não se podia pedir sua mão. Ela escolheu um lindo e doce (eu acho) vestido e véu brancos, tendo a cabeça adornada por flores e sem coroa, o que foi completamente outsider rs.
Esta história de “soberania do amor” (que clichezão bacana), correu as cortes e de repente todas queriam imitar a Rainha Victoria, pelo menos no uso do branco e é por isso, chéries, que o branco foi instituído como a cor da noiva.
Tanto a rebelião corajosa da Rainha Maria de Médice, como a força da personalidade e do amor da Rainha Victoria são elementos que super atribuem aos nossos vestidos de noiva, herdeiros destas mulheres, uma carga afetiva riquíssima.
E temos agora uma ótima oportunidade de saber mais desta mulher incrível, pois estréia amanhã lá fora, dentre em breve por aqui, o filme The Young Victoria, que, desculpem chéries, acho bem melhor que perder tempo com Bride Wars. Pronto, falei.

Apesar de não gostar muito da inexpressiva Emily Blunt, gostei dos trailers e das imagens do filme, que, por tudo que contei aqui, por si só, já me cativa. O filme conta com o figurino da premiada Sandy Powell e está lindo! É, e tem lá a co-produção do Scorsese, ok. É que o Scorsese não me anima muito, mas tudo bem.
Bisous.
Anúncios

Comenta aí, pô!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s