Conselho Supremo de Antiguidades impede visitação da pirâmide de Queops

Pois é, minha gente. A crença em um evento global megalomaníaco de proporções bíblicas ainda é muito forte na mente dos povos, ainda mais quando você tem acesso ao sitio arqueológico de Gize, de longe, representante maior da cultura mais sedutora que ainda temos registro. Hoje recebi a notícia de que o Conselho Supremo de Antiguidades – Departamento de Arqueologia Faraônica (na pessoa de Atef Abu Zahab) resolveu bloquear qualquer visitação ao monumento na data de hoje (11/11/11) por conta de suspeitas quanto a um ritual que seria realizado no local.

Acontece que foram interceptadas comunicações entre internautas, adivinha como?

O possível culto/ritual/manifestação foi percebida por troca de mensagens entre vários internautas por meio de sites de relacionamentos (maldito Facebook), onde estes indivíduos acreditam em uma relação esotérica dos números desta data com eventos reais.

NÃO SEJA BURRO, ENTENDA A NOTÍCIA!
Aqui se aplica uma intromissão por parte deste que vos fala: Os números (uma caralhada de 11 junto) seria algo que não acontece sempre, sendo interpretado como um aviso de grandes proporções, daí a necessidade de um tipo de culto. Muitos acreditam que estudos como a numerologia ou mesmo o esoterismo interpretam de forma precisa estes anúncios para a humanidade, o culto que seria realizado (ainda que hipoteticamente) não teria quinhão terrorista, mas de celebração.

A visitação das pirâmides é algo que gera muita polêmica para o pessoal que gerencia o turismo daquela região. Para quem não sabe, as áreas mais internas da pirâmides foram impedidas de visitação em outras oportunidades, pois os visitantes estavam “pixando” as paredes, além de interferir nas pinturas e inscrições usando todo o tipo de material sem qualquer acompanhamento.

Intrusivo.

O que se percebe é aquela velha cultura de que uma simbologia teria uma clara intervenção prática. O que não significa que devemos afrouxar a corda ou baixar a guarda. É urgente ter calma.

PARA QUEM NÃO SABE…
O Conselho Supremo de Antiguidades é uma divisão do Ministério da Cultura do Egito, este setor é responsável por catalogar, proteger e regulamentar todas os artefatos de sua cultura. Iniciou em 1959 e mudou de nome e de gestor várias vezes. O ultimo foi o polêmico Zahi Hawass, que saiu por conta das manifestações nos países Árabes iniciadas em outubro do ano passado.

Anúncios

Comenta aí, pô!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s