Intervenção militar na Líbia – Parte 01

Foto: Anis Mili /Reuters

Durante o início desta semana, uma conferência ocorrida na ONU (Organizações das Nações Unidas), com base em Nova York, decidiu liberar cinco países a atacar as forças do ditador Muammar Kadafi. O resultado foi a criação de uma coalisão entre cinco países: EUA, França, Reino Unido, Canadá e Itália para criar uma zona de exclusão aérea em defesa da integridade física dos civis.

França dispõe um porta-aviões, Itália entra com oito jatos (quatro caças e quatro aviões) disponíveis para entrar em combate a qualquer momento. Já a Bélgica disponibiliza seis caças F-16 na segunda mesmo.

Durante várias intervenções, uma possível guerra foi evitada, porém, diante de uma série de eventos protagonizados pelo ditador da Líbia acabou por levando ao nível que estamos atualmente. Percebam que Muammar Kadafi está disposto a travar uma guerra total para garantir sua permanêrcia no cenário político. Além de apontar com todas as letras que só sairá do posto de governante da Líbia quando morrer, Kadafi foi enfático ao dizer que, caso ocorra uma intervenção de qualquer país estrangeiro, Kadafi garante lavar as ruas da Líbia com o sangue de gente inocente.

Pirou da batatinha.

Os manifestantes que acabaram pegando corda nas revoltas contra governos opressores operantes nos países Árabes iniciaram suas atividades e pareciam ganhar terreno, até parecia um rumo diferente das eventuais revoltas ocorridas em outros locais, mas Kadafi impos sua força com suas tropas e acabou dando a merda atual. As novidades são basicamente conflitos e bombardeios, salvo engano, nos ultimos dois dias (19 e 20) foram enviados aviões franceses e americanos com missão de proteger o espaço aéreo e defender os civis de uma possível investida.

A situação nas cidades onde ocorrem as atividades militares são das mais desesperadoras. Os insulgentes fazem suas estratégias no meio da rua, causando um contraste com um cenário de pobreza e destruição, cordões de isolamento ocorridos nas cidades onde existem forças leais ao ditador, além da preocupação com os civís mortos nas atividades, de acordo com a Rússia, cerca de quarenta e oito civis morreram.

Como mencionado acima, outro bombardeio foi agendado para o domingo (dia 20/03), dessa vez, americano. Vamos aguardar mais novidades. Presenciamos a história acontecendo. Entusiasmo, gente, agora mais do que nunca!

Anúncios

Comenta aí, pô!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s