Ciência comprova: Tutankhamon morreu de Malária e infecção óssea

Tutankhamon e ZahiAcredito que o Mundo Antigo nunca esteve tão em evidência como nos ultimos dias. A Tecnologia de ponta (aliada a sede de Conhecimento dos Homens bem instruídos) ajuda a provar e, principalmente, a questionar a História como a conhecemos.

A Inteligência Artificial não teria utilidade alguma por conta da burrice natural.

A descobreta da causa da morte do Faraó Tutankhamon pode exemplificar tudo o que mencionei anteriormente.

Howard Carter – Passou dois anos no Egito a procura da Tumba de TutAnkhAmon

Lembrando que nosso “querido amado idolatrado salve-salve” Tutankhamon é um dos maiores ícones da Arqueologia Egípcia, não apenas por sua majestosa Tumba (aparentemente livre de qualquer interferência externa desde sua criação), mas por todo o Folclore e ambientação mística que já se solidificou em torno da sua história.

A mascara mortuária de Tutankhamon virou um “crachá” quando o assunto é Egito. Praticamente toda imagem de máscara mortuária que se encontra na net são de Tutankhamon.

É sério, experimente colocar “mascara mortuaria” no Google images.

Um grupo internacional de estudos arqueológicos e de engenharia genética liderados pelo Dr. Zahi Hawass apontou que a causa da morte do misterioso faraó seria um “combo” por parte de uma infecção óssea aliada a Malária, apesar do parasita estar em apenas 4 das 11 mumias reais.

BREVE RESUMO
O que se conta é que Tutankhamon iniciou seu mandado logo após um verdadeiro samba do criolo doido encabeçado pelos seus pais, o Faraó Amenófis IV Akhenaton (o Herege) e a Rainha Nefertiti (a Bela).

Certamente o casal mais Vida Loka do Egito.

Enfim, eles viraram as costas para a Cultura Politeísta egipcia e iniciaram tudo do zero, inclusive a Capital. Akhenaton dizia que tudo isso havia sido revelado no deserto quando ouviu a voz do “Sol” e, assim, criou um culto ao novo deus Sol Aton e ergueu a cidade de Akhetaton (que seria a nova Capital), além de mudar tradições de cultos e tradições de sua época para o novo modelo que seria praticado na nova gestão.

Muitos acharam que ele pirou da batatinha, mas o pior é que alguém achou que seria legal pilhar os Templos dos sacerdotes de Rá e usar o ouro de lá para financiar tanta mudança.

Não preciso dizer que isso deixou muita gente indignada.

Akhenaton e Nefertiti reinaram quase em pé de igualdade no que tange a poder de ordem e governo (muitas imagens de Nefertiti castigando inimigos com o “açoite” são catalogadas por ai, algo permitido apenas ao Faraó). Como eu disse antes, a postura dos novos Governantes .

Akhenaton saiu dos registros de seu mandato dando margem para outro mistério de seu reinado: o ingresso do misterioso Smenkharen (sua identidade ainda é um mistério). Por fim, após o chá de sumisso de Akhenaton, Smenkharen e Nefertiti, Tutankhamon ascende ao trono.

DIAGNÓSTICO
A doença óssea do Faraó de 19 aninhos seria a doença de Kohler (eu acreditava que ele seria portador da sindrome de Marfan). Pelo que sei, as doenças degenerativas que atacam os ossos são de difícil identificação por serem assintomáticas (sem nenhum sintoma característico), seu diagnóstico é feito por eliminação de outras doenças degenerativas ósseas.

Basicamente a sindrome de Marfam ataca o tecido conjuntivo (e tudo o que ele auxilia), já a doença de Kohler começa na infância e seu estágio inicial se concentra no pé.

Isso explicaria o diagnóstico sobre o “pé torto” da múmia, além da quantidade de muletas e residuos do que seriam frutas e ervas encontradas na tumba.

A equipe de cientistas e arqueólogos aponta que, não apenas a Malária teria dado cabo do Faraó Menino, mas o arqueólogo e professor Sr. Bob Connoly  (Universidade de Liverpool) afirma que um atropelamento teria agravado a situação do rapaz. Costelas quebradas e um buraco no peito comprovam sua teoria.

Mascara mortuaria encontrada na tumba KV55. Seria de Akhenaton?!

Outro fato interessante é que, finalmente, chegaram em um veredicto sobre a identidade da múmia na tumba KV55. Ela seria mesmo do faraó Akhenaton. Até pouco tempo atrás, a múmia em questão era identificada como sendo de Smenkharen, pelo que sei, ele era o regente do faraó Akhenaton, reinando ao lado de Nefertiti. Quando da morte do faraó, este subiu ao poder, passando pouco tempo.

Este estudo torna-se um divisor de águas para a arqueologia egípcia, uma nova era, finalmente algumas das mais importantes múmias que protagonizaram as maiores discussões estão sendo denominadas para sempre, recebendo de volta sua titulação original. Nomeadas novamente. Akhenaton e sua geração de Amarna foi destinada a ser esquecida, riscados do mapa, a mascara mortuária acima exibida pode ser bem de Akhenaton (a face destruida para nunca mais ser lembrado), inúmeras imagens suas foram destruidas, a suposta múmia de Nefertiti, inserida na tumba KV35 também teve o rosto desfigurado. Lembro de um documentário que versa, no instante em que uma múmia é chamada novamente pelo seu verdadeiro nome, esta finalmente pode regressar ao corpo, após o julgamento no além e regressar vitoriosa.

Este artigo termina com uma pulga atrás da orelha: Se Dr. Zahi Hawass decidiu que a múmia de Akhenaton é realmente aquela que estava o tempo todo debaixo do seu nariz, onde está a múmia do misterioso Smenkharen? A múmia de Nefertiti, apontada pela Dra. Joan Fletcher terá seu DNA estudado? Para mim foi uma proeza sem tamanho conseguir extrair o DNA de Tutankhamon, sua integridade abalada conseguiu revelar sua identidade, resta esperar cenas dos próximos capitulos para presenciar os movimentos que Dr. Zahi tomará daqui por diante.

Desejo um abraço para todos que visitam este blog e até o próximo artigo, que eu espero ter coragem para escrever em breve.

Anúncios

8 comentários Adicione o seu

  1. eu tenho 13 anos e sou fassinada por mumias aconpanho a história do faraó Akhenaton e meu ídolo é o dr.ZAHI HAWASS

    Curtir

    1. ma disse:

      bom saber que tem gente assim. Me interesso pelo assunto desde os 11 anos quando vi um documentário sobre Tutacamon

      Curtir

  2. Leticia Gavosto disse:

    Sou fascinada pela estória do Egito Antigo e sobretudo do faraó Akenaton e sua esposa Nefertiti. Já li livros sobre sua suposta vida , como os de Marilusa Moreira Vasconcelos Roger Bottini e outros, através do estudo kardecista. Ele foi considerado herege por ter implantado o monoteismo e por isso foi perseguido pelos sacerdotes que adoraram o deus Amon. Construiu sua cidade, Aketaton e segundo os espíritas, é o espírito do nosso ex-presidente Juscelino Kubischek.

    Curtir

  3. hellen matias disse:

    onde e o museu onde seus perteces esta??????????

    Curtir

  4. carlos henrique disse:

    alguém pode me responder tenho 11 anos e sou completamente fá de múmias e do egito principalmente de nefertiti o corpo dela já foi encontrado ?

    Curtir

    1. Carlos Bazuca disse:

      Carlos Henrique, foi mal ter respondido teu comentário só agora… a rainha Nefertiti e sua múmia ainda estão envoltos em mta controvérsia. Acredita-se que ela (a múmia) já foi encontrada e está na tumba KV 35 (abreviatura d King Valley – Vale dos Reis), contudo a comunidade científica ainda não tem certeza se é Nefertiti ou não.

      Curtir

  5. Adria Xavier disse:

    Muito bom! amei. Já assisti vários documentários…mas sempre fica alguma duvida. Agora sim! -»0 duvidas! parabéns e obrigada 😀

    Curtir

  6. Ricardo disse:

    Zahi Hawass é um grandessíssimo imbecil! A pior expressão de uma egiptologia acadêmica retrógrada e conservadora, maquiada para atender interesses político-culturais não científicos.

    Curtido por 1 pessoa

Comenta aí, pô!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s